Gaúcho morto em chacina em Florianópolis é enterrado; suspeita de vingança

Notícias

Neste sábado (7), a Delegacia de Homicídios de Florianópolis ouviu novas testemunhas e recolheu imagens de câmeras de segurança em busca dos responsáveis pela chacina em um apart-hotel em Canasvieiras em que cinco pessoas foram mortas. Ricardo Lora, uma das vítimas, foi enterrado neste sábado em Caxias do Sul (RS). A polícia mantém a suspeita de que o crime tenha sido motivado por vingança.

Os corpos de Paulo Gaspar Lemos, de 78 anos, e dos três filhos dele esperam no IML da capital a chegada de um parente que mora no exterior. Ricardo era sócio do filho de Paulo, Leandro Gaspar Lemos.

Segundo a Polícia Civil, as vítimas ficaram oito horas sofrendo tortura psicológica até serem mortas por asfixia. Ninguém foi preso até este sábado.

Criminosos deixaram recado em parede no local do crime (Foto: reprodução NSC TV)Criminosos deixaram recado em parede no local do crime (Foto: reprodução NSC TV)

Criminosos deixaram recado em parede no local do crime (Foto: reprodução NSC TV)

A tese de vingança continua entre os investigadores. Em uma parede, os criminosos escreveram: “Minha família foi justiçada. Enrolaram muita gente. Chegou a hora deles”.

Em outra parede, a pichação era do número 171, o artigo do Código Penal sobre estelionato. Paulo era alvo de muitos processos de cobranças em Santa Catarina e em São Paulo. O Ministério Público Paulista o investigou em quatro inquéritos civis sobre estelionato.

A tese da participação de uma facção criminosa na chacina continua sendo tratada como um blefe, uma tentativa de enganar os investigadores. 

 Paulo Gaspar Lemos foi morto em chacina em apart-hotel (Foto: Reprodução/NSC TV) Paulo Gaspar Lemos foi morto em chacina em apart-hotel (Foto: Reprodução/NSC TV)

Paulo Gaspar Lemos foi morto em chacina em apart-hotel (Foto: Reprodução/NSC TV)

Eram da mesma família o empresário Paulo Gaspar Lemos e os três filhos dele: o empresário Leandro Gaspar Lemos, 44, Paulo Gaspar Lemos Junior, 51, que tinha deficiência intelectual, e a artesã Katya Gaspar Lemos, de 50.

Os criminosos levaram do apart-hotel o aparelho de gravação do sistema de monitoramento. A polícia espera que câmeras de prédios próximos ao local possam ter registrado imagens que auxiliem nas investigações.

“Esse trabalho de verificação das imagens é um pouco custoso porque temos que verificar minuto a minuto, segundo a segundo até achar o ponto em que passou o veículo e conferir. Então, é um pouco trabalhoso e demorado”, afirmou o diretor da Polícia Civil da Grande Florianópolis Verdi Furlanetto.

A principal testemunha afirmou à polícia, que os criminosos usavam toucas.

Carro de uma das vítimas foi encontrado na manhã deste sábado (Foto: Polícia Civil/Divulgação)Carro de uma das vítimas foi encontrado na manhã deste sábado (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Carro de uma das vítimas foi encontrado na manhã deste sábado (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Nesta manhã, a polícia encontrou o segundo carro que os assassinos roubaram quando saíram do apart-hotel. Os peritos vão procurar no automóvel vestígios dos três criminosos.

“O vestígio vai desde a digital até um fio de cabelo. Por meio de DNA a gente vai poder identificar as pessoas”, explicou Furlanetto.

Os corpos foram encontrados em cômodos separados do apart-hotel e com cordas amarradas nas mãos, pés e pescoço, de acordo com o Instituto Geral de Pericias (IGP). Um foi localizado na lavanderia do subsolo, dois no segundo andar e os outros no terceiro andar. Havia gasolina espalhada pelos locais e não houve registro de disparo de arma de fogo.

Crime ocorreu em apart-hotel em Canasvieiras, Florianópolis (Foto: Thomas Braga/NSC TV)Crime ocorreu em apart-hotel em Canasvieiras, Florianópolis (Foto: Thomas Braga/NSC TV)

Crime ocorreu em apart-hotel em Canasvieiras, Florianópolis (Foto: Thomas Braga/NSC TV)

Crime

Três homens armados chegaram ao apart-hotel, na Rua Doutor José Bahia Bitencourt, na tarde de quinta-feira (5), e renderam seis pessoas. Uma delas, funcionária do local, conseguiu fugir e acionar a polícia, que chegou ao estabelecimento por volta das 0h30, e encontrou os corpos.